LOCALIDADES RELACIONADAS

ARTISTAS RELACIONADOS

Cangaceiros e retirantes

"Cangaceiros e Retirantes" reúne obras que falam de episódios da história e da cultura sertaneja nordestina. Carregados de forte dimensão mítica, referem-se ao enfrentamento de situações-limites pelos seres humanos. O cangaço foi uma forma de banditismo social, localizado historicamente no Nordeste brasileiro entre 1870 e 1940 e caracterizado pela ação de grupos armados independentes, liderados por uma figura forte. Espécie de bandido social, o participante de um grupo de cangaço constitui um personagem ambíguo. Apesar de realizar atos cruéis, também aparece como vítima dos poderosos e benfeitor dos mais pobres. O casal Lampião e Maria Bonita tornou-se famoso em todo o país como a princiapl liderança do Cangaço. "Retirantes" é como são chamadas as pessoas que migram a pé de um lugar para outro durante os prolongados períodos de seca que assolam o sertão. "Cangaceiros" e "Retirantes" converteram-se em ícones da cultura nordestina e da arte popular brasileira.

OBRAS
  • Lampião e Maria Bonita
  • Lampião e Maria Bonita com espingardas
  • Lampião Sereia
  • Maria Bonita e Virgulino Lampião
  • Matança
  • Retirantes
  • Retirantes
  • Cangaceiro
  • Cangaceiro com espingarda no ombro
  • Cangaceiros
  • Cangaceiros
  • Chegada do cangaço

Cangaço was a form of social banditry located historically in Northeast of Brazil between 1870 and 1940, characterized by the activities of independent armed groups, led by strong leaders. The bandit is an ambiguous social character: although they engage in cruel and criminal activities such as looting, robbery and murder, they are not regarded by the local community in the same way as a common criminal. They often appear to be the victim of circumstances and unfairly persecuted by police. The most famous of these leaders was Virgulino Pereira da Silva, known as Lampião, the King of Cangaço. His exploits with his wife and accomplice, Maria Bonita at his side, turned to legends after his death and feed the fantasy that is built around giving more power of the weak.

Facts that tell important aspects of "official" history of Brazil, seen from the perspective used by textbooks from the 1950s and 1970s.

Vitalino Pereira dos Santos, Mestre Vitalino, is an iconic figure in Brazilian folk art. He was born in 1909, in the village of Ribeira dos Campos, near Alto do Moura, in Caruaru (PE). Raised in a brickyard, he began modeling small clay oxen and other animals as toys, which were then sold at the local market. It was these sculptures that called attention to the vast field of popular artistic creation in the major urban centers. Introduced to the public in 1947, at a group show organized in Rio de Janeiro, which featured the work of craftsmen and folk artists from Pernambuco, Mestre Vitalino became a leading figure in the world of folk art, little known until then. There were a number of stories told about him, many of which acquired an almost mythical dimension. This made it possible for us to understand the harsh realities of life in the backlands of the Northeast in the 1940s in a new way, hitherto unthinkable: from the point of view of the principal protagonists themselves through the art. Vitalino is known as “Mestre” for his virtuosity and for his leadership among the other potters in his region. He died at home on January 20, 1963, the victim of smallpox, at 53 years of age.

Angela Mascelani

O cangaço foi uma forma de banditismo social localizada historicamente no Nordeste brasileiro entre 1870 e 1940, caracterizado pela ação de grupos armados independentes, seguidores de uma liderança forte. O bandido social é um personagem ambíguo: apesar de realizar atos cruéis, como pilhagens, roubos e assassinatos, não é considerado pela comunidade local um criminoso comum. Muitas vezes aparece como vítima das circunstâncias e como alvo de perseguição injusta por parte da polícia. O mais famoso desses líderes foi Virgulino Pereira da Silva, conhecido como Lampião, o rei do cangaço. Suas façanhas ao lado de sua mulher e cúmplice, Maria Bonita, viraram lenda após sua morte e alimentam o imaginário que se constrói em torno do poder do mais fraco.

Angela Mascelani

Vitalino Pereira dos Santos, Mestre Vitalino, é uma figura emblemática na arte popular brasileira. Nasceu em 1909, na vila de Ribeira dos Campos, próximo ao Alto do Moura, em Caruaru (PE). Criado em um ambiente oleiro, desde cedo começou a modelar boizinhos e outros brinquedos, que eram vendidos na feira local. Foram as suas esculturas que despertaram a atenção dos grandes centros urbanos para o vasto território da criação plástica popular. Apresentado ao grande público em 1947, numa exposição coletiva organizada no Rio de Janeiro, na qual eram mostradas obras de artesãos e artistas populares pernambucano, Mestre Vitalino tornou-se uma das principais figuras do mundo da arte popular, então pouco divulgado. Sobre ele, foi contada uma série de histórias, muitas das quais adquiriram dimensões quase míticas. Isso possibilitou que se conhecesse e se abordasse a dura realidade do sertanejo nordestino da década de 1940 por um novo caminho, até então impensável: a partir de seus principais atores e pela via das artes. Vitalino é conhecido como mestre por seu virtuosismo e pela liderança que exerceu entre os demais ceramistas de sua localidade. Faleceu no dia 20 de janeiro de 1963, vitimado por varíola, em sua residência, aos 53 anos de idade. Angela Mascelani